blaze

‘Bandeiras vermelhas’ e ‘bandeiras verdes’ na criptoeconomia

Suporte e visibilidade são elementos essenciais se quisermos acelerar a transição para o novo padrão de criptomoedas; regulamentação equilibrada será necessária mais cedo ou mais tarde

  • Por Silvina Moschini
  • 13/02/2023 08h00
Dylan Calluy/UnsplashTela com gráficos de finançasHoje já está claro que criptomoedas sem lastro e baseadas apenas em seu valor percebido são extremamente instáveis

Bandeiras verdes e vermelhas foram popularizadas por boa parte dos millennials e da Geração Z como uma forma rápida de alertar sobre oportunidades e perigos. É um código visual condizente com os tempos virais que vivemos e serve para identificar sucessos, mas também nos alerta que muitas coisas não são exatamente como se apresentam. A criptoeconomia também tem suas próprias “bandeiras verdes” e “bandeiras vermelhas”. Mais e mais pessoas são encorajadas a investir em criptoativos, mas têm cada vez mais dúvidas. Ao mesmo tempo, eventos como o colapso da FTX geram uma inevitável sensação de ceticismo em relação a todo o sistema. Mas quanto de tudo isso realmente desacelerará a adoção da criptomoeda e em que período de tempo? Para responder a essa pergunta, precisamos de uma visão distante das flutuações atuais e focada nas questões mais conceituais do dinheiro. Caso contrário, corremos o risco de confundir as partes com o todo e a tecnologia com alguns de seus (maus) usos.

Lições da volatilidade

A irrupção do blockchain e sua capacidade de descentralização foi, sem dúvida, a “bandeira de partida” na evolução das criptomoedas. Ele promoveu um grau de inovação que permitiu a digitalização incipiente do dinheiro, mesmo que algumas de suas qualidades — especialmente sua extrema instabilidade — se mostrassem contraproducentes ao longo dos anos. Essa volatilidade ficou evidente de duas formas muito marcantes durante o ano de 2022. Primeiro foi durante o “inverno cripto”, quando o colapso de Luna e Terra gerou um efeito dominó sobre todo o sistema. A lição foi clara: as criptomoedas sem lastro e baseadas apenas em seu valor percebido são extremamente instáveis. Mais recentemente, o colapso da plataforma FTX destacou que, sem estruturas regulatórias mínimas, a alta volatilidade não pode ser combatida. A esse respeito, é significativo que em poucos meses uma preocupação que parecia exclusiva de governos como os da Europa e dos Estados Unidos se expandisse para “o coração” do sistema: o próprio CEO da Binance agora é amigo das regulamentações.

A ‘bandeira verde’ dos ativos

Neste cenário em plena reorganização, a primeira “bandeira vermelha” para qualquer potencial investidor é evitar aquelas criptomoedas que não podem armazenar valor. É uma das qualidades fundamentais do dinheiro, independentemente de seu suporte tecnológico, mas a especulação às vezes pode deslumbrar muitos investidores inexperientes. Por outro lado, podemos colocar uma “bandeira verde” nas criptomoedas de nova geração que são lastreadas por ativos e, especificamente, ativos com potencial de crescimento. Quando projetamos a Unicoin, enfrentamos o desafio de unir o melhor de “dois mundos”. Por isso, com base nas possibilidades inéditas que a tecnologia blockchain abriu, entendemos que a melhoria passava por propor um backup confiável. As empresas que passam pelo programa Unicorn Hunters são, nesse sentido, ativos com potencial de crescimento cuja visibilidade é o oposto do anonimato que caracteriza a primeira geração de criptomoedas.

Suporte e visibilidade são dois elementos essenciais se quisermos acelerar a transição para o novo padrão de criptomoedas. Mas não é a única coisa. Os eventos mostram que uma regulamentação equilibrada será necessária mais cedo ou mais tarde. Embora para alguns possa ser um termo antipático, não acredito que todos os regulamentos devam ser vistos como uma ameaça ou todas as regras como um freio. Pelo contrário, se, como dizem muitos especialistas, “a indústria criptográfica está na sua infância e em pleno desenvolvimento”, um conjunto de regras do jogo será essencial para nos salvar de futuros contratempos e consolidar a migração para este novo capítulo na história do dinheiro.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da blaze.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.
blaze Mapa do site